28 KINEMA | PROGRAMAÇÃO DA MOSTRA DE CINEMA NIKKEI

Cena do filme "Haruo Ohara", de Rodrigo Grota.
Cena do filme “Haruo Ohara”, de Rodrigo Grota.

Começa na sexta-feira  (25) da próxima semana  a Mostra de Cinema Nikkei, no Cine Guarani, no Portão Cultural (Avenida República Argentina, 3430 – Curitiba), que tem entrada franca. Serão exibidos filmes dirigidos por cineastas brasileiros que exploram o tema da imigração japonesa ao Brasil e da questão da identidade dos nipo-brasileiros ou ainda, personagens de destaque da comunidade nipo-brasileira. O evento é promovido pelo MEMAI e apoiado pelo Consulado Geral do Japão e Fundação Cultural de Curitiba.

O cineasta londrinense Hikoma Udihara terá uma sessão especial, com filmes produzidos entre 1957 e 1959, registrando desde festas de nipo-brasileiros a cerimônias oficiais. Artistas que conseguiram projeção nacional, como o fotógrafo londrinense Haruo Ohara, o animador Ypê Nakashima, o quadrinista Claudio Seto e a pintora Tomie Ohtake são personagens de filmes; o HQ também tem espaço  : Piconzé, realizado por Ypê Nakashima, e  O Ovo e a Galinha, de Tako-x.  E não poderiam faltar obras que tratam da questão da identidade nikkei, como Ou est Le soleil (Onde está o sol), da francesa  Claire Sophie Dagnan, e Permanência, de Hélio Ishii, ou retratam comunidades consolidadas, como as do bairro da Liberdade, em Gambarê, de José Carlos Lage.
Outra curiosidade da programação é Yami no ichi nichi, de Mario Jun Okuhara, que traz o depoimento de Tokuichi Hidaka, o assassino do Coronel Jinsaku Wakiyama, comandante da Shindo Renmei. O filme ganha relevância porque seu protagonista, Hidaka, de 87 anos, depôs na Comissão Nacional da Verdade, no dia 10, comprovando os casos de tortura e violência aos direitos humanos no Presídio da Ilha de Anchieta, em São Paulo,  para onde foram mandados os “vitoristas” e “derrotistas” envolvidos com organizações ultranacionalistas japonesas.
PROGRAMAÇÃO – Sessões às 20 horas, entrada franca
25, sexta-feira
Curtas Contemporâneos
Retratos de Hideko (10 min.), Olga Futema, 1981 .Chá verde e arroz (10 min.),1988. Haruo Ohara, Rodrigo Grota. (16 min.), 2010, Satori Uso, Rodrigo Grota (17 min.), 2007. O Samurai de Curitiba, Roberval Machado e José Padilha. (20 min.) , 2010. O Gralha, Tako x (20 min), 2002.
26, sábado Memória HIKOMA UDIHARA
Cenas do acervo do cineasta londrinense Hikoma Udihara, preservadas pela Cinemateca Brasileira e restauradas pelo pesquisador Caio Cesaro.
27, domingo
HQ Piconzé, (80 min.)m 1972, Ypê Nakashima  ( 60 min), Hélio Ishii, 2009.
28, segunda
Não há sessão.
29,  terça Nikkei
Gambarê, (52 min.) de José Carlos Lage, 2005. Yami no ichi nichi, ( 80 min) . Mario Jun Okuhara, 2012.
30, quarta Trânsitos
Permanência (60 min). Hélio Ishii, 2006, Ou est Le soleil (52 min). Claire Sophie Dagnan,  2011.
31, quinta Arte
À flor da pele  (52 min), de Bettina Turner, 2002, Tomie Ohtake ( 67 min.), 2003.
Advertisements

NOTÍCIA | MESTRAS DE IKEBANA EM CURITIBA

ana de alunas de Elia Kitamura.
Ikebana Ohara-ryu.
Ikebana Ohara-ryu.

Nos dias 19 e 20 de outubro, duas mestres japonesas de ikebana (arranjo floral japonês) Ito Teika e Suzawa Motoko, estarão em Curitiba. Elas serão as convidadas de honra para abrir uma exposição  para comemorar os 20 anos da Associação Cultural Ikebana Ohara-ryu da cidade. A  exposição com trabalhos das alunas da associação estará aberta nos dias 19 e 20, das 9 às 17 horas, no Memorial de Curitiba.

As professoras farão  demonstração da técnica de sua escola  das 16 às 18 horas, no  Hara Palace Hotel.  O evento é promovido pelo Consulado Geral do do Japão em Curitiba, Aliança Cultural Brasil Japão do Paraná,  Fundação Cultural de Curitiba, Nikkei Clube de Curitiba, Hara Palace Hotel e Hotel Guaira.

No Japão existem mais de 400 linhas de ikebana, chamada de escolas, que se diferenciam pelos estilos dos arranjos. A  Ohara ryu foi fundada por Unshin Ohara, no século XIX. A característica dessa escola são os arranjos montados  em suibaus (recipientes rasos) , simulando  paisagens da natureza. A escola foi introduzida no Paraná pela professora Teruko Ogawa, na década de 60.

A responsável pela vinda das mestras japonesas ao Brasil é Elia Kitamura, professora de ikebana no estilo Ohara-ryu há 20 anos. Élia já deu aulas em diversos lugares de Curitiba, como o Centro de Criatividade São Lourenço e unidades do Sesc. Ela se sentiu atraída pela estilo por unir técnica e filosofia. Com o ikebana, Élia aprendeu a “conversar com galhos e flores”.

As flores e galhos que compõem  seus arranjos e o de suas alunas são colhidos de matas naturais. Uma das matas a que Èlia recorre com frequência é a da Estrada Dona Francisca, que fica no caminho entre a cidade de São Francisco para São Bento, em Santa Catarina, onde uma amiga possui uma casa com um bosque. Lá, ela colhe flores da estação e encontra curiosas esculturas da natureza, feita de galhos secos.  Esses elementos, retirados diretamente dos ambientes naturais é que dão a graciosidade para a harmonia dos arranjos no estilo Ohara-Ryu.

NOTÍCIA | MATSURIS LÁ E CÁ

The sacred child of the 2007 Gion Matsuri. Imagem: Japan Guide.
As crianças sagradas 2007 Gion Matsuri. Imagem: Japan Guide.

Marilia Kubota

Visitar um matsuri (festival, em japonês) é uma experiência para todos os sentidos. Os festivais realizados no Japão, para marcar as estações do ano e outros eventos, estão relacionados a festividades xintoístas – religião relacionada ao culto da natureza. Em Quioto (a mais antiga cidade japonesa), por exemplo, são  celebrados os famosos AOI MATSURI, em maio, o GION MATSURI (o maior e mais popular)  durante todo o mês de  julho e o JIDAI MATSURI, em outubro.

Além de um festa visual, com exibição de uma profusão de quimonos, e de danças tradicionais (odori, como o bon odori, dança dos mortos, também trazida ao Brasil pelos imigrantes japoneses), há uma festa para o paladar. Em Quioto, ao contrário das festas brasileiras, sobressaem os pratos com tofu – o queijo de soja.  O soja é uma das principais proteínas da dieta japonesa.

No Brasil, nos acostumamos a associar os matsuris a grandes festivais gastronômicos, onde os pratos mais conhecidos são os que  contêm carne, como o sukiyaki e o yakisoba, além  do sushi e do sashimi. Nestes eventos, não pode faltar o karaokê – festival de canto amador – , tradição intimamente ligada com a vida do imigrante, funcionando como uma espécie de válvula de escape das repressões sociais. Tanto no Japão quanto no Brasil, cantar sucessos de seus cantores preferidos ajuda a aliviar as tensões do cotidiano. E, nos últimos anos, vê-se cada vez mais a presença do taiko (tambor japonês)  nos festivais brasileiros, graças ao apoio do governo do Japão.

Graças à indústria de entretenimento, que vende, a cultura japonesa traduzida para a  linguagem popular, floresce espontaneamente nos matsuris o cosplay (fantasiar-se como uma personagem de desenho animado). O cosplay seria uma espécie de “carnaval japonês” para  tímidos, uma possibilidade de extravasar suas fantasias.

Se existem  diferenças entre festivais japoneses e brasileiros,  não deixam de ser fenômenos de mídia. Os matsuris são cada vez mais visitados por turistas locais ou estrangeiros, e sua beleza, tradicional ou exótica, não pode passar despercebida. Por isso é um “paraíso” para fotógrafos, cinegrafistas e caçadores de imagens. Mas também para os artistas, como se vê na foto abaixo.

Imin 100. Foto: Claudine Watanabe.
Imin 100. Foto: Claudine Watanabe.

IMIN MATSURI 2013

Curitiba festeja mais um IMIN MATSURI para comemorar os 105 anos dos imigrantes japoneses no Brasil. Nesse final de semana,  (29 e  30), acontece  o 23. Festival do Imigrante Japonês ,  a ser  realizado na Praça Burle Marx, a lado do MON (Museu Oscar Niemeyer). O evento fica aberto das  11h às 21h no sábado e das 11h às 17h.  É realizado pela Associação Cultural e Beneficente Nipo-brasileira de Curitiba (Nikkei Curitiba) e apoiado pela Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal de Curitiba, Consulado Geral do Japão em Curitiba, Sakura e RPC TV. A grande atração da festa será a cantora japonesa Mariko Nakahiro.  A entrada é franca.

O Imin Matsuri acontece desde 1991 na comunidade nipo-brasileira de Curitiba. No início, o matsuri foi uma ideia proposta pelo animador cultural Claudio Seto para substituir as festas juninas, a partir da anedota da  confusão criada pelo imigrante japonês, em sua chegada em 18 de junho de 1908. Os issei (japonês de primeira geração) pensavam que os fogos de artifício das festas juninas eram uma saudação dos brasileiros a eles. O Imin Matsuri seria o segundo festival a ser celebrado pela comunidade, que já havia criado o Haru Matsuri – Festa da Primavera. A  ideia era ter um matsuri para cada estação, o que já acontece na cidade, com a celebração do Hana Matsuri (abril)  e do Seto Matsuri (dezembro). Como em muitas cidades brasileiras, os matsuris de Curitiba fazem parte do calendário oficial de eventos.

Concurso de mangá

O Curso Bunkyo de Língua Japonesa aproveita para promover  um concurso de mangá.  Interessados em participar  devem comparecer à entidade e retirar o papel e o cartaz onde colará o desenho.  A entrega dos desenhos deve ser feita até a sexta-feira (28). Podem ser usados quaisquer tipos de materiais de pintura (pincéis atômicos, aquarelas, grafites,  giz de cera, lápis de cor, nanquim.) ou materiais e técnicas variadas como colagens, tecidos, pedrarias, lantejoulas.  O resultado será divulgado no domingo (30).

O Museu Oscar Niemeyer fica na Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico.

NOTÍCIA | RETIRO ZEN-BUDISTA EM CURITIBA

Zazen com Saikawa Roshi na Praça do Japão.
Zazen com mestre zen-budista Saikawa Roshi (vestindo manto  verde),  na Praça do Japão.

No próximo domingo (09)  a Comunidade Zen-budista de Curitiba promove  um retiro de um dia – Zazenkai – na Praça do Japão, experiência  ideal para quem está começando a prática da meditação zen-budista.  Serão realizados sete zazens (meditação sentada), intercalados pelo samu (prática da atividade diária), cerimônias, refeições, kin hin (meditação andando) e a palestra que ocorrerá durante o zazen. Inscrições e pagamento devem ser feitos antecipadamente durante os dias de prática (ver dias e horários aqui). A colaboração sugerida é de R$ 65 para não-membros e R$ 45 para membros da comunidade. Considera-se membro a pessoa que colabora mensalmente para a manutenção do espaço onde se realizam as práticas (Praça do Japão).

No retiro está incluído o almoço com a uso  dos oryokis (utensílios para refeição) e dois lanches,  um pela manhã e o outro à tarde.

Programação do Zazenkai:

Início do retiro às 08h com o primeiro Zazen
Almoço às 12h
Encerramento às 16h50

NOTÍCIA | ENCONTRO DE "SENSEI" EM CURITIBA

22noticiaimagem05Foto: Site Bunkyo Curitiba.

Até essa sexta-feira (10/05), professores de língua japonesa podem se inscrever no 8° Encontro de Professores de Língua Japonesa do Sul do Paraná (Kensyuukai),  que  será realizado no dia 26/05, a partir de 09 h, no Hotel Hara Palace,  um lugar que abriga muito eventos da comunidade nipo-brasileira em Curitiba.  O  evento será organizado pelos Centro de Estudos da Língua Japonesa do Sul do Paraná, Fundação Japão, em São Paulo e Consulado Geral do Japão em Curitiba.
O Centro de Estudos da Língua Japonesa do Sul do Paraná abrange  9 escolas no Sul do Paraná, e organiza, além do encontro,  concurso de leituras  em japonês para crianças e outros eventos. A presidente do Kensyuukai é a professora  de língua japonesa Miyoko Sato, que atua no Centro de Língua e Interculturalidade (Celin), da Universidade Federal do Paraná.
“A taxa de inscrição para o evento é de  R$35  e inclui  bentô no almoço, podendo pagar no dia”, explica a professora Miyoko, chamando a atenção para uma tradição tipicamente japonesa, a de trazer/vender refeições caseiras (marmitas) em seus eventos. As inscrições estão sendo feitas no  Curso de Japonês  Bunkyo, pelo telefone  3264-8778 e                                   e-mail:   lauram@hotmail.co.jp.

NOTICIA | UM HANA MATSURI MAIS SÓBRIO EM CURITIBA

Hana Matsuri 2012. Foto: Mylle Silva.
Hana Matsuri 2012. Foto: Mylle Silva.

No Festival das Flores 2013, ou  Hana Matsuri, que acontece nesse fim de semana na Praça do Japão, em Curitiba, a ordem é sobriedade. Coerente com a comemoração, que é a celebração do nascimento de Buda, os organizadores resolveram trazer palestras sobre budismo para o palco, além de atrações pop. Assim, representantes de diferentes  escolas apresentam suas filosofias para o grande público, em meio a desfiles de Cosplay e apresentações de Taiko.

Não faltarão as tradicionais cerimônias do Kanbutsu-e (banho de chá doce no Buda) e  o Hanamido (cortejo de acólitos) .

No sábado (27), às 15h20 min, o aikidoca Wilson Sagae apresenta a técnica do Kokiy (respiração do aikido) e às 17h10 min, o Shinshin Toitsu Aikido; às 16h30 min, o   japonês Saikawa Roshi, considerado um dos grandes mestres zen da atualidade, uma palestra sobre zen-budismo; às 17h40 min, Bruno Davanzo apresenta o taichichuan. No domingo (28), às 11 horas, haverá meditação e recitação de mantra de Buda Shakiamuni, com oferecimento de lamparinas, promovido pelo Centro de Budismo Tibetano Chagdud Gonpa Brasil – Dordje ling Curitiba.

Nos dois dias, na Biblioteca Hideo Handa, após o encerramento das apresentações no palco, acontece o monólogo “Corrente fria, corrente quente”, de Fernanda Fuchs. O texto foi premiado em concurso do Bunkyo-SP, em 2012 e apresentado no Seto Matsuri e no Festival de Teatro de Curitiba.

Veja a programação detalhada em eventos.

NOTÍCIA | MOSTRA DE CINEMA JAPONÊS EM CURITIBA

Dentro da Mostra de Cultura Japonesa, a Fundação Cultural de Curitiba e Fundação Japão de São Paulo – Centro de Cultura Japonesa promovem exibição de  15  filmes  japoneses exibidos e aclamados entre 1992 a 2011. As Sessões são diárias, com apresentação de 2 a 3 filmes por dia, a partir das 15 horas.

PROGRAMAÇÃO

 

Cena do filme “O amor de Nabbie”. Foto: divulgação.

 

15/10 (SEG)

15h45 – Viyon no Tsuma ( Esposa de Villon) – Kichitaro Negishi, 2009
17h50 – Nabi no Koi ( O Amor de Nabbie) – Yuji Nakae, 1999
19h35 – Orosiya-Koku Suimutan – Kodayu – Jun-ya Sato, 1992.

16 /10 (ter)

15h45 – Nihon no Kuroi Natsu Enzai – Verão Negro Falsa Acusação
18h00 – Toki wo Kakeru Syojo – A Garota que Saltou no Tempo
19h50 – Tsuki wa Dochi ni Deteiru – De que Lado Fica a Lua

17 / 10 (qua)

15h45 – Sonatine
17h30 – Karutetto! – Quarteto!
19h40 – Robocon

18 / 10 (qui)

15h45 – Toki wo Kakeru Syojo – A Garota que Saltou no Tempo
17h40 – Gakkou no Kaidan – Escola Mal Assombrada
19h30 – Ballad Na mo Naki Koi no Uta – Balada

19 / 10  (sex)

15h45 – Tasogare Seibei – Crepúsculo de Seibei
17h55 – Viyon no Tsuma – Esposa de Villon
20h00 – Otoko wa Tsurai yo  – O Resgate de Tora-san

20 / 10 (sab)

15h45 – Nabi no Koi – O Amor de Nabbie
17h30 – Bushi no Ichibun – Honra de Samurai
19h45 – Robocon

21 / 10  (dom)

15h45 – Ballad Na mo Naki Koi no Uta – Balada
18h15 – Tokyo Tawa – Torre de Tóquio

Loca: Cinemateca de Curitiba – Rua Carlos Cavalcanti, 1174 – São Francisco. Entrada franca.

Sinopses