43 FOTOGRAFIA – HARUO OHARA NO JAPÃO

Obras do fotógrafo Haruo Ohara estão sendo expostas em três museus japoneses: Kochi, Itami (Hyogo) e Kiyosato, até dezembro. A exposiçao abrange 400 fotos selecionadas por Sérgio Burgi, e reúne mais 39 objetos, documentos, ferramentas, álbuns e fotografias originais.

Advertisements

https://i1.wp.com/www.ims.com.br/images/19/25/arq_1925.jpg

Nuvem da manhã, 1952, Terra Boa, PR (Coleção Haruo Ohara/Acervo IMS)

Até dezembro, 400 obras do fotógrafo Haruo Ohara serão vistas em três museus japoneses: Kochi, na província de Kochi (no litoral sul),  Itami, em Hyogo (centro) e  Kiyosato, em Yamanashi (centro). Com curadoria de Sérgio Burgi, a exposição, que também reúne mais 39 objetos, documentos, ferramentas, álbuns e algumas fotografias originais, começa pela terra natal do fotógrafo.

A família de Haruo doou o acervo do fotógrafo ao Instituto Moreira Salles em janeiro de 2008, e passou então a ser tratado e preservado na Reserva Técnica Fotográfica do IMS no Rio de Janeiro, principal instalação dedicada à conservação da memória fotográfica no Brasil. Suas obras já foram expostas pelo IMS em São Paulo, Londrina, Curitiba e, mais recentemente, no centro cultural do IMS no Rio de Janeiro.

Lama, rua Brasil, 1950, Londrina, PR (Coleção Haruo Ohara/Acervo IMS)

Imigrante, lavrador e fotógrafo, Haruo Ohara nasceu em Kochi, no Japão, em 1909. Aos 17 anos, veio para o Brasil com seus pais e irmãos, e cultivou a terra ao longo de boa parte de sua vida adulta com dedicação e arte, ao mesmo tempo que fotografava sua vida e a de seus familiares.

Sua obra, alinhada com a fotografia moderna e humanista de meados do século XX, contribui para mostrar que alguns dos antagonismos atávicos da cultura brasileira, como o que contrapõe o campo e a cidade como símbolos do arcaico e do moderno, herança de nosso período colonial extrativista e escravocrata, não resiste ao surgimento de uma nova personagem histórica na passagem do século XIX para o XX: o imigrante europeu ou asiático, que renova cultural e economicamente o país a partir do campo e que, no caso específico de Haruo Ohara, encarna tanto o homem da terra quanto o homem da cultura. Ao lado do trabalho diário na lavoura, Haruo cultivou a delicadeza dos infindáveis registros fotográficos possíveis da luz, delineando formas abstratas a partir de volumes e texturas dos objetos e da natureza presentes em seu ambiente e no entorno. Produziu também marcantes imagens documentais e humanistas de sua família, de sua região e do mundo do trabalho associado à abertura da nova fronteira agrícola no norte do Paraná pelos imigrantes japoneses e de outras nacionalidades que para lá acorreram.

https://i2.wp.com/www.ims.com.br/images/19/40/arq_1940.jpg

Autorretrato, bambuzal do sítio Tomita, 1953, Londrina, PR (Coleção Haruo Ohara/Acervo IMS)

No site do Instituto Moreira Sales (IMS) pode-se ter acesso a algumas fotos e textos da exposição, além de três  vídeos – um de Tizuka Yamasaki, comentando as fotos, outro com um debate sobre a obra dele e o terceiro , imagens domésticas do acervo familiar.

Museu de Arte de Kochi
9/4/2016 a 12/6/2016
353-2 Takasu Kochi, Kochi 781-8123, Japão
Das 9h às 17h.

Museu de Arte de Itami
18/6/2016 a 18/7/2016
2-5-20 Miyamomae, Itami-shi, Hyogo 664-0895, Japão
Das 10h às 18h. Fechado às segundas-feiras. Quando as segundas são feriados nacionais japoneses, o museu permanece aberto e fecha no dia seguinte.

Museu de Artes Fotográficas de Kiyosato
22/10/2016 a 04/12/2016
3545-1222 Kiyosato, Takane-cho, Hokuto-shi Yamanashi 407-0301, Japão
Das 10h às 18h. Em dezembro, das 10h às 17. Fechado às terças-feiras.

43 PESQUISA – SEMINÁRIO IMIGRAÇÃO E IDENTIDADE NA UFPR

Revista MEMAI em parceria com a UFPR e a Livraria Vertov organiza o seminário “Imigração e Identidade”, com os pesquisadores Jeffrey Lesser (Emory University) e Alexandre Kishimoto (Antropologia da USP).

A  revista MEMAI, em parceria com o Departamento de Ciências Humanas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Livraria Vertov organizam o seminário “Imigração e Identidade”, no qual os pesquisadores Jeffrey Lesser (Emory University)  e Alexandre Kishimoto (Antropologia da USP) conversam com o público sobre suas pesquisas e livros, na próxima quarta-feira (08),  a partir das 15h30 min, no anfiteatro 1000, do Edifício D. Pedro I (Reitoria).

JeffrreyLesser

Jeffrey Lesser ocupa a Cátedra de Estudos Brasileiros na Universidade Emory, em Atlanta, Estados Unidos, e é professor visitante do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. É autor de muitos livros publicados no Brasil, incluindo três premiados internacionalmente: “Uma Diáspora Descontente: Os Nipo-Brasileiros e os Significados da Militância Étnica”, 1960-1980 (Paz e Terra, 2008), “A Negociação da Identidade Nacional: Imigrantes, Minorias e a Luta pela Etnicidade no Brasil”, (Editora Unesp, 2001) e “O Brasil e a Questão Judaica: Imigração, Diplomacia e Preconceito” (Imago Editora, 1995).

Kishimoto01Alexandre Kishimoto é mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo, pesquisador especialista em cinema e antropologia. Autor do lvro “Cinema Japonês na Liberdade”, integra o Grupo de Antropologia Visual da USP e atua em projetos culturais e educativos em coletivos como a Associação Cultural Cachuera! e o Núcleo Hana de Pesquisa e Criação Teatral.

O evento será mediado pela jornalista Marilia Kubota e conta a participação dos professores Karina Bellotti, do Departamento de História da UFPR, Márcio de Oliveira, do Departamento de Sociologia e Mônica Okamoto, do Departamento de Letras. O Edifício D. Pedro I fica na Rua General Carneiro, 460.