32 GASTRONOMIA | UM SUKIYAKI COM INGREDIENTES JAPONESES

Crédito da imagem: http://sukiyaki.i-globa.com/menu1.html
Crédito da imagem: http://sukiyaki.i-globa.com/menu1.html

Que tal aproveitar o friozinho e arriscar a fazer o  prato mais conhecido do Japão?  O sukiyaki é preparado à vista dos convidados. Assim, desde o preparo, os aromas de seus variados ingredientes dão água na boca,  Consta que devido à proibição de se comer carne pelo Budismo, só  em meados do século XIX, com a abertura do pais, a proteína animal começou a ser mencionada e consumida. 

A palavra Sukiyaki  (すき焼き) é composta por dois termos: Suki significa rastelo e Yaki ,  assar, deste modo, sukiyaki significa assar com rastelo. A origem deste prato, hoje sofisticado e tradicional, teve início com os camponeses assando batatas-doces diretamente no fogo com ajuda do rastelo japonês. Com seu formato peculiar,  facilitava o  processo de cocção,  evitando que os camponeses  tivessem que levar utensílios de cozinha mais pesados para o campo.

Com o passar do tempo, começaram a assar outros legumes, agregando mais ingredientes e molhos. Em datas festivas, usavam panelas de ferro em que todos os comensais se serviam. Assim,  o sukiyaki ganhou um valor espiritual típico do japonês, o de reafirmar os laços familiares, afetivos e de amizade através da mesa, resguardando a cultura e tradição.

Atualmente, você pode comer ouvindo a canção  Ue O Muite Arukou (que significa “caminhando olhando para o alto”), rebatizada pelos americanos de Sukiyaki.  Anote a receita com ingredientes tipicamente japoneses, fornecida por  Cristina Fukushima*.

Receita

Numa panela de ferro já aquecida, coloque um pedaço de gordura de carne macia tipo contrafilé para untar a panela. Adicione a carne, que deverá estar cortada em fatias finas como se fosse um presunto.

Logo que a gordura derreter e a carne mudar de cor, adicionar cebola verde longa (naganegui) cortada enviesada, pedaços de tofu (1/2 tofu) cortado em quadradinhos, cogumelo shiitake frescos ou hidratados (1 pacote) cortados ao meio, acelga cortada em pedaços (1/4 de maço), folhas de crisântemo (1/2 maço) e ito konnyaku (fios gelationos feitos de uma raiz).

Depois de ajeitar todos os ingredientes na panela, despejar por cima uma xícara de molho feito com uma colher ade açúcar mascavo, uma de mirim (sake para a culinária) e 3/4 colheres de shoyu.

Se quiser utilizar o broto de feijão (um punhado) não será necessário usar água.Vá apertando os ingredientes com o hashi  até que pareçam cozidos (cuidado para não deixar passar do ponto).

Costuma-se bater um ovo cru em cumbuquinhas individuais e ir retirando da panela os pedacinhos super quentes, colocando-os no ovo e comendos aos poucos. Uma nova leva de ingredientes é colocada na panela e o sabor vai ficando cada vez melhor.

* Receita publicada no livro “Uma receita puxa a outra”,  de  Cristina Fukushima.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s