08 | HQ | SETO E OS MANGAKÁS DO BRASIL

O mangá se tornou popular no Ocidente com a divulgação da obra Lobo Solitário, de Frank Miller, mas  já havia, antes, no Brasil,  desenhistas nisseis como Claudio Seto, Julio Shimamoto, Paulo Fukue e Fernando Ikoma.

No artigo assinado pela pesquisadora Patrícia Maria Borges, especialista em Comunicação e Semiótica da PUC-SP, você pode  conhecer um pouco mais sobre a obra destes mangaká pioneiros, além de ter um panorama sobre os desenhistas contemporâneos. Leia o artigo nas páginas 8, 9 e 10.

A obra de Claudio Seto tem destaque especial na pesquisa, com análise de duas histórias de Flores Manchadas de Sangue, livro publicado no ano de falecimento do autor (2008).  Seto é considerado, junto com Minami Keizi, o introdutor do mangá no Brasil.  Além disto, tornou-se popular em Curitiba por ser o criador dos festivais folclóricos na região.

No aniversário de 3 anos de sua morte ele recebeu diversas homenagens: o vídeo O Samurai de Curitiba, dirigido por Rober Machado e José Padilha, a 2a. edição do livro Ayumi – Caminhos Percorridos, pela Imprensa Oficial do Paraná e também a inclusão do Seto Matsuri na Virada Cultural local.

E para reviver os heróicos tempos da editora curitibana de quadrinhos Grafipar, editora da qual Seto foi um dos cofundadores, a edição de novembro da Revista de História da Biblioteca Nacional  traz um artigo de autoria de Luciano Henrique Ferreira Dias, pesqisador da Universidade Federal do Paraná,  em que cita a editora.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s